Supply Chain 4.0 significa o uso de tecnologias recentes no gerenciamento da cadeia de suprimentos, ou seja, internet das coisas, robótica, ou grandes dados. A rede é completamente automática, melhorando o desempenho. 

O contexto 4.0 cria a necessidade de indústrias apply new technologies and techniques that empowers digital supply chain models. This new business model is faster and more flexible.  

O que muda na Supply Chain 4.0? 

Naturalmente, a primeira grande mudança é a introdução de meios tecnológicos. Desde o transporte até a possibilidade de usar software para monitorar as operações, cada passo é possível para maximizar a eficiência com soluções digitais. 

Como mencionado, outro aspecto relevante é a automação de todo o sistema. Neste novo contexto, os seres humanos têm menos tarefas do que antes, concentrando-se em pontos estratégicos enquanto as máquinas fazem as funções repetitivas. 

Ambos, combinados, levarão a uma redução nos custos porque minimizam os erros e melhoram a gestão de estoques. Portanto, também reduz as possibilidades de ruptura de estoque ou excesso de estoque. 

Mas este novo contexto tem seus próprios desafios, e os gerentes devem ser capazes de lidar com eles. 

Desafios da Supply Chain 4.0 

Se os profissionais não estiverem preparados para lidar com os avanços da tecnologia, isso será um desperdício. Portanto, os gerentes devem ser ativos e entender seu processo para estabelecer as expectativas e estratégias corretas. 

Entre os desafios mais comuns da instalação de ativos digitais na cadeia de fornecimento estão: 

  • Volume of Data: digital assets and analysis needs a lot of data. Its common for companies that aren’t digitalized yet to not maintain a good registry, but it’s fundamental to the functionality of digital supply chain to keep records of everything. 
  • Qualifique Profissionais: com novas dinâmicas, você precisa de profissionais que possam lidar com ferramentas e tarefas digitais. Além disso, como as máquinas assumiram tarefas mais repetitivas, eles precisam agir de forma estratégica, tomando decisões baseadas em toda a operação. 
  • Escolha de ferramentas: antes de saltar para os novos paradigmas da cadeia de abastecimento, a gerência deve realizar um estudo minucioso de suas necessidades e possibilidades para encontrar ferramentas que sejam compatíveis com o que precisam. 

Agora que passamos por alguns desafios de adaptação de suas operações ao mundo digital, precisamos ver os benefícios que você obtém com isso quando a implementação é feita corretamente. 

Os benefícios da tecnologia

Como dissemos, a digitalização de sua operação reduzirá o impacto dos erros e, consequentemente, os custos. Mas como essas ferramentas podem tornar sua cadeia de abastecimento mais lucrativa? 

Em primeiro lugar, o tempo gasto em tarefas menores será reduzido, para que os profissionais possam se concentrar em encontrar novas oportunidades e resolver problemas estratégicos. Por exemplo, se os funcionários controlam o armazém, eles perdem muito tempo. As ferramentas digitais podem: 

  • Receber. 
  • Inspecionar. 
  • Gerenciar. 
  • Separar. 
  • Listar. 
  • Gerar documentos. 

Se todo esse processo for por software, isso também facilitará o registro e consequentemente agregará dados para fazer processos ainda melhores.  

Esta coleta de dados terá impacto em toda a empresa e operações. Você pode compartilhar através de toda a cadeia de fornecimento e acesso em tempo real. Portanto, reagir a problemas em processo é mais rápido. 

Uma análise desses dados também revelará o comportamento do cliente, tornando o pedido mais eficaz, uma vez que você pode prever melhor o que seus clientes estão consumindo mais. 

O Futuro com a Cadeia de Suprimentos 

A inovação digital torna a cadeia de fornecimento mais eficiente, apoiada por um planejamento inteligente que leva em conta a análise de dados. 

Cada vez mais, os avanços tecnológicos fazem parte das decisões comerciais. Quando se trata de Supply Chain, diferentes tipos de tecnologias podem melhorar os resultados. As tecnologias que mais contribuem para a indústria são: 

  • Análise de dados (41%) 
  • Internet das Coisas (39%) 
  • Computação em nuvem (39%) 

Mas não só isso, o mercado está interessado na segurança da informação, análise preditiva, aplicações móveis, impressão 3D, robótica, blockchain, entre outras. Com este amplo campo de ação, os economistas acreditam que a renda global relacionada ao SCM atingirá US$ 8,5 bilhões em 2022. 

Com base nisso, as empresas que procuram se manter competitivas devem investir cada vez mais em processos tecnológicos e dados orientados. 

Tendo em mente os avanços tecnológicos e industriais, as empresas e os profissionais que desejam permanecer competitivos devem buscar melhorias. Já vimos que isto se aplica a pequenas e grandes empresas. Com um bom planejamento e considerando as possibilidades da cadeia de fornecimento, os negócios prosperarão.

hello@supplybrain.ai

Belo Horizonte

Rua Carlos Alves, 88 -101 – São José

São Paulo

Cubo Itaú – Alameda Vicente Pinzon, 54 – Vila Olímpia

pt_BRPortuguês do Brasil